Arquivo do autor:Rafael Zacca

Sobre Rafael Zacca

Poeta e crítico literário, cursou a graduação em História e o mestrado em Filosofia na Universidade Federal Fluminense. É membro do corpo editorial da Revista Chão, onde mantém a coluna Sucesso de Sebo. Integra, no Rio de Janeiro, a Oficina Experimental de Poesia.

[Online] Oficina de crítica de poesia – 2020.1

FORMA E FORÇA, PROCEDIMENTO E EXPERIÊNCIA
[Online]
⠀⠀⠀⠀
Duração dos encontros: 2h30.
Carga horária total: 15h
⠀⠀⠀⠀
EMENTA
⠀⠀⠀⠀
Esta é uma oficina de crítica de poesia. Isso significa que nossos encontros terão uma finalidade a um só tempo teórica e prática. Estudar para fazer, e fazer para estudar a crítica. Dividida em 6 encontros, essa oficina propõe que nos debrucemos sobre os fundamentos da crítica, e que compreendamos um pouco de sua história e de suas funções possíveis. Xs participantes serão estimuladxs, na duração do curso, a produzir uma crítica, a partir de reflexões e exercícios práticos, junto à observação da atividade crítica de outrxs escritorxs.
⠀⠀⠀⠀
A oficina se concentrará, ainda, em estabelecer uma reflexão que possa fornecer subsídios para a superação da usual dicotomia entre forma e conteúdo, e entre procedimentos artísticos e experiências vitais em poesia, e em arte em geral. “Formas são forças”, disse certa vez Walter Benjamin – sustentaremos tanto essa tese, quanto a hipótese de seu contrário (forças são formas).
⠀⠀⠀⠀
PROGRAMA
⠀⠀⠀⠀
Dia 1. A crítica como desdobramento das obras
⠀⠀⠀⠀
Dia 2. O poema inacabado
⠀⠀⠀⠀
Dia 3. Poesia e experiência
Dia 4. O coletivo e a crítica
Texto base para discussão: a ser definido com a turma
⠀⠀⠀⠀
Dia 5. As formas da crítica
[Amolador de faca 5: para casa]
⠀⠀⠀⠀
Dia 6. Leitura das críticas produzidas pelxs participantes

 

[Graduação – UFRJ] Teoria Literária I – 2020.1

TEORIA LITERÁRIA I — 2020.1

EMENTA

O curso pretende desdobrar, a partir de textos literários e críticos, uma pergunta – o que é literatura? – em muitas. O conceito de literatura é de difícil definição – e o curso não pretenderá fixar um conceito rígido, claro e distinto do que seja a literatura. Pelo contrário, demonstrará como o exercício da teoria literária é o de flexibilização, problematização e questionamento do conceito diante da multiplicidade de objetos – radicalmente diferentes entre si – que ele tenta abarcar. Além disso, na tarefa de abertura do conceito de literatura, diferentes linguagens e objetos textuais serão convocados à reflexão. Por fim, o curso pretende demonstrar a historicidade do conceito de literatura e da discussão sobre textos literários, que remonta, pelo menos, à Grécia Antiga e à discussão sobre a relação da arte com a realidade a partir do conceito de mimesis.

PROGRAMA

1. O conceito de Literatura e suas consequências
1.1. O que é literatura? Algumas tentativas; 1.1.1. Objetos literários identificáveis; 1.1.2. A literatura antes e depois da escrita; 1.1.3. Objetos estranhos;

1.2. Os limites do cânone;
1.3. O autor e a morte do autor;
1.4. Modo de produção literário e sistema literário;

2. Mímesis
2.1. Grécia antiga, arte e sociedade;

2.2. Tragédia e democracia; 2.2.1. Antígona de Sófocles; 2.2.2. Antígona de Brecht; 2.2.3. Antigonick de Sófocles por Anne Carson; 2.2.4. Tragédia, história e mímesis;

2.3. Mímesis, Platão e Aristóteles

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ARISTÓTELES. Poética. Trad. Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2017.
CALEGARI, Lizandro Carlos; MOREIRA, Fábio Martins. “O negro na história da literatura brasileira”. IN: Litterata | Ilhéus. vol. 6/2. jul.-dez. 2016. pp. 40-58.
CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2007.
CICERO, Antônio. “A poesia e a crítica.” IN: A poesia e a crítica. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.
COMPAGNON, Antoine. O Demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: UFMG, 1999.
EAGLETON, Terry. Teoria literária, uma introdução. Trad. Walternir Dutra. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
PLATÃO. República. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFBA, 2001.
VERNANT, J-P.; VIDAL-NAQUET, P. Mito e tragédia na Grécia antiga. Trad. A. L. do A. Prado e outros. São Paulo: Perspectiva, 1999

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ANZALDÚA, Gloria. “Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo.” IN: Estudos feministas. Trad. Édna de Marco. v. 8. n. 1. (2000)
BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas Vol. I. Trad. Sergio Paulo Rouanet. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1994.
BORGES, Jorge Luis. Ficções. Trad. Davi Arrigucci Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
__________. O Aleph. Trad. Davi Arrigucci Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
__________. O livro dos seres imaginários. Trad. Carmen Vera Cirne Lima. São Paulo: Globo, 1989.
BRECHT, Bertolt. “A Antígona de Sófocles.” In: Teatro completo. Tradução Angelika E. Köhnke e Christine Roehrig. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993. v. 10, p. 191-251.
CARSON, Anne; SÓFOCLES. Antigonick. Trad. Marília Garcia e Rafael Zacca.
PATROCÍNIO, Stela do. Reino dos bichos e dos animais é o meu nome. Rio de Janeiro: Azougue, 2001.
PLATÃO. Íon. Trad. Cláudio Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.
ROSA, Guimarães. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 2001.
SÓFOCLES. Antígona. Trad. Trajano Vieira. São Paulo: Perspectiva, 2009.WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: 1985.

CALENDÁRIO

17/03 Apresentação da turma e do professor
19/03 Apresentação da ementa, do programa e das formas de avaliação

24/03 O que é literatura? (T. Eagleton, “Introdução” a O que é literatura, pp. 1-24)
26/03 Idem.

31/03 Testando o conceito de literatura I: A terceira margem do rio (Guimarães Rosa)
02/04 Testando o conceito de literatura II: Verbete: Minotauro (J. Luis Borges) A casa de Asterion (J. Luis Borges) + Minotauro de Borges (Baco Exu do Blues) : distribuição em sala de aula

07/04 Testando o conceito de literatura III: Stela do Patrocínio
09/04 Idem

14/04 Os limites do cânone I (A. Cícero: “A poesia e a crítica”)
16/04 Idem

21/04 Feriado
23/04 Feriado

28/04 Os limites do cânone II (Calegari e Moreira, “O negro na história da literatura brasileira”)
30/05 Idem

05/05 O autor e a morte do autor I (Compagnon, “O autor” in: O demônio da literatura, pp. 47-52)
07/05 O autor e a morte do autor II (J. Luis Borges, “Pierre Menard autor do Quixote” in Ficções, pp. 18-23)

12/05 Modo de produção literário e sistema literário (A. Cândido, “Literatura como sistema” em Formação da literatura brasileira, pp. 23-25)
14/05 Avaliação 1

19/05 Grécia antiga, arte e sociedade
21/05 Antígona de Sófocles (in: Trilogia tebana, pp. 199-261)

26/05 Antígona de Sófocles
28/05 Antígona de Sófocles

02/06 Antígona de Sófocles
04/06 Antígona de Brecht: distribuição em sala de aula

09/06 Conversa sobre avaliação 2
11/06 Feriado

16/06 Antígona de Anne Carson: distribuição em sala de aula
18/06 Antígona de Anne Carson

23/06 Grécia antiga, tragédia e democracia (Vernant e Vidal-Naquet, Mito e tragédia na Grécia antiga, pp. 1-24)
25/06 Mímesis em Platão (Livro VII da República)

30/06 Mímesis em Aristóteles
02/07 Avaliação 2

[Oficina – Coart/UERJ] Oficina de poesia: da matéria-prima à composição – 2020.1

DA MATÉRIA PRIMA À COMPOSIÇÃO

Prof.: Rafael Zacca
2020.1 | Carga horária: 32h   (12 encontros)
Seg. 15h-18h

PROPOSTA

Uma oficina de fundamentos para quem quer começar a escrever ou desenvolver a sua escrita. Estudaremos juntos alguns conceitos básicos que concernem ao poema e à composição poética em geral. Simultaneamente, testaremos ferramentas e dispositivos para a criação. Em meio a tudo isso, leremos um bocado de poetas vivxs.

PROGRAMA

Aula 1 – Apresentação do curso – o que é o poema? Algumas respostas inconclusivas

Aula 2 – A materialidade das palavras. Técnicas de imanência e analogia.
[Leitura: Octavio Paz, O arco e a lira, “”, pp. ]

Aula 3 – Limites do verso. Técnicas de cavalgamento e parataxe.
[Leitura: Giorgio Agamben, Ideia da prosa, “Ideia da prosa”, pp. ]

Aula 4 – Limites da prosa. Técnicas de contenção e transbordamento. Sintaxe e (de novo) parataxe.
[Leitura: Décio Pignatari, O que é comunicação poética, “Poesia não-linear, poesia não-verbal”, pp. 48-60]

Aula 5 – Lanternagem. A fala franca, o olho no olho, e o aviso do feijão no dente.
[Leitura: Ezra Pound, ABC da Literatura, “”, pp. ]

Aula 6 – As dimensões do poema segundo Ezra Pound: melopeia, fanopeia e logopeia.
[Leitura: Ezra Pound, ABC da Literatura, “”, pp. ]

Aula 7 – Símbolo e alegoria.
[Leitura: ]

Aula 8 – O escudo de Aquiles. Sustentando a metáfora.
[Leitura: Oficina experimental de poesia, Almanaque rebolado, “”, pp. ]

Aula 9 – “Eu sou ninguém”. Personagens com e sem fundo.
[Leitura: Rafael Zacca, “Sem juízo nenhum: dívidas, vidas culpadas e a poesia de Lucas Matos”, na revista Escamandro]

Aula 10 – Escrever com e contra o passado.
[Leitura: Anne Carson, “A tarefa de quem traduz Antígona”]

Aula 11 – Arte como procedimento e criação como programa.
[Leitura: Victor Chklovski, “A arte como procedimento”]

Aula 12 – Catar feijão ou caçar em vão? Transpiração e inspiração na composição.
[Leitura: ]

[Oficina – Coart/UERJ] Oficina de poesia e leitura: Os sentidos da matéria em Gullar e Cabral – 2020.1 [com Lucas van Hombeeck]

OS SENTIDOS DA MATÉRIA

Profs.: Lucas van Hombeeck e Rafael Zacca
2020.1 | Carga horária: 32h   (13 encontros)
Seg. 18h30-21h

PROPOSTA

Esta é uma oficina de leitura e criação de poesia a partir das obras de João Cabral de Melo Neto e Ferreira Gullar. Vamos investigar os sentidos da matéria nos dois poetas e testar ferramentas desenvolvidas a partir desse estudo. Neste primeiro módulo trabalharemos os livros Cão sem plumas, Uma faca só lâmina e Quaderna, de João Cabral, e Poema sujo, Na vertigem do dia e Barulhos, de Ferreira Gullar.

PROGRAMA

16/03: Apresentação do curso e proposta metodológica

1. Materialidade e sujeira
23/03: Poema sujo, F. Gullar (i)
30/03: Poema sujo, F. Gullar (ii) + Cão sem plumas, J. Cabral (i)
06/04: Cão sem plumas, J. Cabral (ii)
13/04: Oficina
20/04: Feriado

2. Materialidade e linguagem
27/04: Uma faca só lâmina, J. Cabral (i)
04/05: Uma faca só lâmina, J. Cabral (ii) + Na vertigem do dia, F. Gullar (i)
11/05: Na vertigem do dia, F. Gullar (ii)
18/05: Oficina

3. Materialidade e morte
25/05: Barulhos, F. Gullar (i)
01/06: Barulhos, F. Gullar (ii) + Quaderna, J. Cabral (i)
08/06: Quaderna, J. Cabral (ii)
15/06: Oficina + Encerramento do curso

[Graduação – UFRJ] Teoria Literária III – 2020.1

TEORIA LITERÁRIA III — 2020.1

EMENTA

O desenvolvimento do capitalismo, o ritmo acelerado da destradicionalização do mundo, a desorientação promovida pela falência dos valores transcendentais e o advento do sujeito moderno constituem, a um só tempo, causas e sintomas de uma crise que se estende desde os princípios da modernidade até os nossos dias. As formas artísticas acompanharam essa crise de diversas maneiras: dando-lhe imagens, alimentando-a, tentando amenizá-la ou apostando na sua radicalização. De Hegel aos teóricos da Escola de Frankfurt, de Nietzsche a Heidegger, de Weber a Marx, um tal diagnóstico se faz sentir – ainda que não com as mesmas consequências. Este curso tenta investigar as transformações da arte, em geral, e da literatura, em particular, e seus vínculos com questões relacionadas à percepção e à política.

PROGRAMA

1. Modernidade e as transformações da arte
1.1. Hegel e o fim da arte; 1.2. A desorientação transcendental e a teoria do romance; 1.3. Poesia e negatividade;

2. As transformações da percepção
2.1. Pobreza de experiência; 2.2. Reprodutibilidade técnica; 2.3. Fim da aura; 2.4. Estetização da política e politização da arte;

3. Estética e anestética
3.1. As transformações da percepção; 3.2. Capitalismo, crise da democracia e origens do totalitarismo; 3.3. Sujeito moderno, masculinidade, anestesia e fascismo;

4. Arte e refundação da democracia
4.1. A partilha do sensível; 4.2. Modos de sentir, modos de habitar; 4.3. As artes e as cidades; 4.4. Desconstrução do sujeito universal europeu; 4.5. Racializando o debate sobre arte e democracia.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ADORNO, Theodor. “Palestra sobre lírica e sociedade” IN: Notas de literatura I. Trad. Jorge M. B. de Almeida. São Paulo: Editora 34, 2003.
BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas Vol. I. Trad. Sergio Paulo Rouanet. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1994.
BUCK-MORSS, SUSAN. “Estética e anestética: o ensaio sobre a obra de arte de Walter Benjamin.” Trad. Rafael Lopes Azize. Travessia: revista de literatura, nº 33. Florianópolis: EdUFSC, ago-dez 1996.
CHKLOVSKI, Victor. “A arte como procedimento.” In: TOLEDO, Dionísio de (org.). Teoria da literatura: formalistas russos. Trad. A. M. Ribeiro et al. Porto Alegre: Editora Globo, 1971.
HEGEL, G. W. F. “Introdução”. IN: Cursos de Estética. Vol. 1. Trad. Marco Aurélio Werle. São Paulo: EdUSP, 2001.
LUKÁCS, Georg. A Teoria do romance. Trad. José Marcos Macedo. São Paulo, Duas. Cidades / Ed. 34, 2000.
MBEMBE, Achille. “Democracia e poética da raça” IN: Crítica da razão negra. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 edições, 2018.
RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Trad. Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO experimental org.; Ed. 34, 2005.
SUSSEKIND, Pedro. Teoria do fim da arte. Rio de Janeiro: 7letras, 2017.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR (LITERATURA)

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Trad. Ivan Junqueira. IN: Poesia e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.
__________. O Spleen de Paris. Trad. Aurélio Buarque de Hollanda. IN: Poesia e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.
CUMMINGS, e. e. Poem(a)s. Trad. Augusto de Campos. Campinas: Unicamp, 2011.
FREITAS, Angélica. Um útero é do tamanho de um punho. São Paulo: Cosac Naify, 2012.
GARCIA, Marília. Parque das ruínas. São Paulo: Luna Parque, 2018.
KAFKA, Franz. A metamorfose. Trad. Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
NEGRÃO, Renato. Vicente viciado. Belo Horizonte: Rótula, 2012.
PATROCÍNIO, Stela do. Reino dos bichos e dos animais é o meu nome. Rio de Janeiro: Azougue, 2001.
TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda européia e modernismo brasileiro: apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas. 3ª ed. Petrópolis: Vozes; Brasília: INL, 1976.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR (TEORIA)

BENJAMIN, Walter. Baudelaire e a modernidade. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
__________. Estética e sociologia da arte. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.
EAGLETON, Terry. Teoria literária, uma introdução. Trad. Walternir Dutra. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
FREUD, Sigmund. “O estranho”. IN: Edição Standard brasileira das Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud. Vol. XVII. Trad. Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. Da metade do século XIX a meados do século XX. Trad. Marise M. Curioni. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

CALENDÁRIO

17/03 Apresentação
19/03 Hegel e o fim da arte (Hegel, “Introdução” aos Cursos de Estética, p. 35; P. Sussekind “Prólogo” e “Tema hegeliano” em Teorias do fim da arte, pp. 9-19)

24/03 Modernidade, desorientação transcendental e teoria do romance (G. Lukács, “Culturas fechadas” em A teoria do romance, pp. 23-35)
26/03 Epopeia antiga, epopeia moderna (Idem, pp. 55-68)

31/03 Poesia e negatividade I (T. Adorno, “Palestra sobre lírica e sociedade” in Notas de literatura I)
02/04 Poesia e negatividade II

07/04 Modernidade e estranhamento: a arte como procedimento (V. Chklovsky, “A arte como procedimento“)
09/04 Idem

14/04 Introdução a Walter Benjamin
16/04 Experiência e pobreza (W. Benjamin, in Obras escolhidas vol I, pp. 114-119)

21/04 Feriado
23/04 Feriado

28/04 A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica (W. Benjamin, “A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica” in: Obras escolhidas vol I pp. 165-196)
30/05 Idem

05/05 Idem
07/05 Idem

12/05 Avaliação 1
14/05 Estética e anestética (Susan Buck-Morss)

19/05 Idem
21/05 Idem

26/05 A partilha do sensível ( J. Rancière, Primeira pergunta em A partilha do sensível, pp. 15-26)
28/05 Idem

02/06 Os regimes da arte (Segunda pergunta, pp. 27-44)
04/06 Idem

09/06 Revisitando a República de Platão
11/06 Feriado

16/06 Crítica da razão negra e a refundação da democracia (A. Mbembe, “Democracia e poética da raça” in Crítica da razão negra, pp. 299-307)
18/06 Idem

23/06 As transformações da narrativa I (W. Benjamin, “O narrador” in Obras escolhidas vol I, pp. 197-221)
25/06 Idem

30/06 Avaliação 2
02/07 Encerramento do curso

 

[Graduação – PUC-Rio] Estética I – 2020.1

ESTÉTICA I – 2020.1

OBJETIVOS

a. Apresentação de conceitos básicos da história da Estética;
b. Atualização de questões primordiais da reflexão estética para a arte contemporânea;
c. Discussão do problema da historicidade da percepção humana e por extensão da estética como “filosofia da arte”.

EMENTA

Teoria da arte; a problemática que envolve a produção da obra de arte; natureza da criatividade; conceitos característicos das diferentes concepções da obra e arte. Relação entre arte e sociedade. O conceito de arte.

PROGRAMA

1. Estética e Filosofia da arte
– O nascimento da estética; – Filosofia da percepção ou filosofia da arte?

2. Arte e fim da arte
-A modernidade como época problemática; -A arte como problema na modernidade; -Hegel e o “fim da arte”;

3. Mímesis
-A era da reprodutibilidade técnica da obra de arte; -Cópia e verdade; -Autonomia e heteronomia das obras; -Estetização da política versus politização da arte; -Walter Benjamin e a atrofia da aura;

4. Estética e anestética
-As transformações da percepção; -O sujeito moderno anestesiado; -Susan Buck-Morss e uma teoria feminista da estética;

5. Percepção e democracia
-A partilha do sensível; -Modos de sentir e a organização da Polis; -Os regimes da arte: ético, poético e estético; -Rancière e os fins da democracia.

BIBLIOGRAFIA PRINCIPAL

BENJAMIN, Walter. “A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica”. Trad. M. Lisboa. In: Benjamin e a obra de arte. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
BUCK-MORSS, Susan. “Estética e anestética: o ensaio sobre a obra de arte de Walter Benjamin.” Trad. Rafael Lopes Azize. Travessia: revista de literatura, nº 33.
HEGEL, G. W. F. “Introdução”. IN: Cursos de Estética. Vol. 1. Trad. Marco Aurélio Werle. São Paulo: EdUSP, 2001.
RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Trad. Mônica Costa Netto. 2. ed. São          Paulo: Exo Experimental; Editora 34, 2009.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas Vol. I. Trad. Sergio Paulo Rouanet. Rio de               Janeiro: Brasiliense, 1994.
CRARY, Jonathan. Técnicas do Observador: visão e modernidade no século XIX. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
EAGLETON, Terry. A ideologia da estética. Trad. Mauro Sá Rego Costa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.
KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Trad. Valério Rohden e António. Marques. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1993.
LIMA, Luiz Costa. Mimesis e modernidade. Rio de Janeiro: Graal, 1980.
PAREYSON, L. Os problemas da estética. Trad. Maria Helena Nery Garcez. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
PLATÃO. A República. Trad. Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1990.
RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
SUSSEKIND, Pedro. Teoria do fim da arte. Rio de Janeiro: 7letras, 2017.

CALENDÁRIO

04/03 Apresentação da turma e do professor
06/03 Apresentação da ementa

11/03 O nascimento da estética I (Leitura: T. Eagleton, “Particulares livres” em Ideologia da estética, pp. 17-28)
13/03 O nascimento da estética II (idem)

18/03 O fim da arte (Leitura: Hegel, “Introdução” aos Cursos de Estética, p. 35; P. Sussekind “Prólogo” e “Tema hegeliano” em Teorias do fim da arte, pp. 9-19)
20/03 Sociedades fechadas e modernidade como sociedade aberta (Leitura: G. Lukács, “Culturas fechadas” em A teoria do romance, pp. 23-35)

25/03 Introdução ao pensamento de Walter Benjamin
27/03 Introdução a A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica

01/04 Seminário I: Dadaísmo
03/04 A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica I (Leitura: W. Benjamin, “A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica” in: Obras escolhidas vol I pp. 165-196)

08/04 A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica II
10/04 Feriado

15/04 A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica III
17/04 Seminário II: Futurismo

22/04 A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica IV
24/04 A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica V

29/04 Seminário III: Surrealismo
01/05 Feriado

06/05 Estética e anestética I (Leitura: S. Buck-Morss, “Estética e anestética…”)
08/05 Estética e anestética II

13/05 Estética e anestética III
15/05 Estética e anestética IV

20/05 Seminário IV: Modernismo brasileiro
22/05 Introdução ao pensamento de Jacques Rancière

27/05 A partilha do sensível I (Leitura: J. Rancière, Primeira pergunta em A partilha do sensível, pp. 15-26)
29/05 A partilha do sensível II (idem)

03/06 A partilha do sensível III (Segunda pergunta, pp. 27-44)
05/06 A partilha do sensível IV (idem)

10/06 Seminário V: Teoria da Vanguarda
12/06 As cidades invisíveis

17/06 Entrega das notas finais
19/06 Prova final