Arquivo da tag: Luiz Guilherme Barbosa

Drummond e o comunismo | Colégio Pedro II

A garotada é rápida. Sacaram muito depressa que Drummond está não apenas destacado da família, mas que também é o único que cruza os braços e se inclina levemente para fora do quadro.

O amigo e professor Luiz Guilherme Barbosa me convidou para conversar com os seus alunos do Colégio Pedro II de Realengo sobre Drummond e comunismo. É, o chamado foi esse mesmo, Carlos Drummond de Andrade e comunismo, com a liberdade para tratar o assunto como eu bem entendesse.

Claro, conversamos sobre A Rosa do Povo. Mas também sobre o anjo torto do primeiro poema do primeiro livro do poeta, sobre fotos de família, e também sobre a orientação política dos alunos dentro da escola, como percebem seus corpos, como acham que seus desejos respondem àquele ambiente, etc. Continuar lendo

“Cu” como campo de testes em “Ocupa”, de Dimitri BR

Quatro notas sobre uso, corpo e linguagem

por Rafael Zacca
3/10/2016

1. Que a nós não nos seja dado ousode todo o corpo, o simples uso do corpo, testemunham as constantes investidas da primeira infância – já liberta da necessidade do bebê – contra o regramento corporal (frequentemente compreendidas sob o signo precário da ignorância). Quando postulamos, por exemplo, uma “fase anal” naqueles aproximados três anos de vida depois da chamada “fase oral”, que supostamente deveria ser superada no desenvolvimento psicossexual da pequena criatura até o seu amadurecimento genital, interditamos uma coisa tão preciosa quanto a ginástica ou a teoria. Não interditamos, simplesmente, o livre uso do cu, mas a possibilidade mesma de teste – e, portanto, de plurisignificância – prometida em cada parte corporal. Dois livros recentes se debatem com esse problema. Um deles, Corpo de festim, de Alexandre Guarineri, devolve o tabu para o centro das questões de valorização e desvalorização dos corpos e da vida, culminando no par catártico “ânus humano (.) ônus santo”.[1] Por sua vez, Ocupa, de Dimitri BR, parece querer restituir o campo de testes corporal que a vida adulta na civilização pretende recalcar. E, assim como para o poeta o teste da linguagem é condição de possibilidade de sua produção ou de sua demolição de sentido, estabelecendo certa “economia” dos elementos em sua arquitetura, da mesma forma o teste anal quer constituir uma “ecologia” do corpo.[2] O poema que abre o livro, não por acaso, é intitulado “Desperdício”: “pesquisas apontam / há quem use menos / de 10% do corpo / para fazer sexo”. Continuar lendo

Oficina de Sonhos | CIEP Tancredo Neves

Oficina de criação a partir de sonhos
31/07/2017
Local: CIEP Tancredo Neves
2h de duração

Mais importante do que se perguntar sobre o que acontecerá com a poesia quando ela for levada às mais distintas atividades — tão distantes do mergulho na linguagem que poéticas tradicionais e contemporâneas justamente defendem como ação fundamental de qualquer poesia — é se perguntar o que acontece com essas atividades quando, querendo ou não, de maneira mais ou menos consciente, os envolvidos nessa atividade se molham descuidadamente (às vezes apenas as mãos, às vezes os cabelos) nesse mar de palavras e conexões linguísticas que configura o fazer poético. Um fazer que suspende a lógica do tempo, e a todo momento parece interromper as outras atividades. E o faz menos por qualquer qualidade do contato com esta água estranha do poema, do que por mero contágio. O que acontece, por exemplo, quando profissionais da educação do município do Rio de Janeiro interrompem a primeira reunião de organização do semestre para escrever?

Continuar lendo